Sábado, 17 de Novembro de 2012

Importa-se de ser mais claro?

O primeiro a ir ao Algarve na sequência do tornado foi (pasmem-se!) Marco António Costa. Não foi o Ministro da Solidariedade, mas o Secretário de Estado, garantindo prontidão nas ajudas. Mas eis que um Ministro iria entrar em cena. 

O segundo a ir ao Algarve foi, assim, Miguel Macedo. Foi lá ver, foi lá falar, foi lá ouvir, foi lá espreitar. E que mais? Ofereceu uma mão cheia de nada: "Ninguém sabe falar neste momento de dinheiro, não vale a pena estar a atirar valores para o ar um pouco ao calhas. Não faz sentido que seja assim". 

Poucas horas depois, a partir de Cádis, entra o terceiro protagonista em cena, Pedro Passos Coelho, para dizer: esqueçam tudo! O que o Macedo disse foi mal dito, não era nada daquilo. O Governo vai ajudar sim senhor. E até admite declaração de estado de emergência. 

O Primeiro-Ministro passa publicamente um atestado de inabilidade política ao seu Ministro da Administração Interna: "lamento que o Sr. Ministro não tenha sido mais esclarecedor". Diz Passos de Macedo. 

O temporal não se fez sentir apenas no Algarve. Há mau tempo, sim senhor. Na Rua Professor Gomes Teixeira. Mesmo.

publicado por Ana Catarina Santos às 20:29
link do post | comentar | favorito

apresentação

Tudo o que sobe também desce

Conheça a história do ascensor aqui.

autores

pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos

subscrever feeds