Sexta-feira, 4 de Fevereiro de 2011

Deolinda e o hino da "geração adiada"

Todas as gerações precisam de um hino - e a geração mais qualificada e entalada de Portugal arranjou um: "Parva que sou", dos Deolinda. Para quem (como eu) não foi aos concertos vale a pena ver na internet: cada linha irónica da vocalista Ana Bacalhau é abafada por palmas e gritos. No final, toda a plateia dominada por jovens, em Lisboa e no Porto, levanta-se num estrondoso aplauso. Os Deolinda tinham acabado de tocar num nervo.

 

A música alastrou pela internet como fogo num palheiro. As reacções dos "jovens" são de exaltação com o facto de alguém finalmente conseguir articular numa canção tudo o que lhes acontece na vida: os contratos de trabalho miseráveis ("Porque isto está mal e vai continuar/Já é uma sorte eu poder estagiar"), o contraste entre expectativas e realidade ("Que mundo tão parvo/Onde para ser escravo é preciso estudar") e a anestesia mimada ("Sou da geração ''casinha dos pais''/Se já tenho tudo, p''ra quê querer mais?"). Está lá quase tudo. Os Deolinda cantam sobre problemas reais de mais de um milhão de jovens com menos de 34 anos, entre trabalhadores a prazo, desempregados e inactivos.

 

Mas também os mais velhos ouvem e, na internet, logo surgiram as reacções típicas. À esquerda, entre elogios ao "grito da geração adiada" e apelos à revolta dos jovens, o cronista Daniel Oliveira escreveu na edição online do "Expresso": "A tese continuará a ser a mesma: a desgraça desta geração resulta dos "privilégios" dos mais velhos [...] Convenientemente, a desgraça da geração 500 euros é haver quem ainda não tenha as suas vidas a prazo." Já José Manuel Fernandes (ex-director do "Público") pediu no blogue Blasfémias um levantamento geral ("Levantem-se oh vítimas"), mas em sentido contrário ("dos direitos adquiridos!"). E explica, numa posição clássica da direita: "A nova canção dos Deolinda pode tornar-se no hino das gerações excluídas pelo Portugal dos ''direitos adquiridos'' e ''empregos para a vida'' [...] dos que se limitam a estar sentados sobre os seus empregos." Ambos os lados ignoram aspectos importantes.

 

A esquerda olha para o problema sempre do ângulo da igualdade/desigualdade e esquece-se do outro: os mais velhos, clientela política, pesam mais nas decisões de qualquer governo do que os jovens que, além de serem cada vez menos, fazem questão de se abster nas eleições. É por isto - e porque os eleitores são melhores pais do que eleitores - que existe um problema de justiça intergeracional: uma lei laboral que protege de tal forma o emprego individual permanente que contribui para que a flexibilização selvagem seja feita sobre quem entra no mercado; uma lógica de protecção social feita para o mercado de trabalho de há 30 anos e ignora os jovens precários; um Estado social que, com pezinhos de lã, se prepara para despejar a factura das pensões de reforma nestes mesmos jovens. A lista é longa.

 

A direita reconhece o fosso geracional - pelo menos enquanto está fora do governo - mas erra ao copiar cegamente dos manuais de economia e de gestão o ideal de flexibilidade total. Os bloqueios geracionais agravam a situação dos jovens, mas há mais além disso. Há um capitalismo eticamente pobre e pouco fiscalizado. Há uma filosofia crescente centrada no trabalho temporário, que agrava o fosso salarial entre o topo e a base. Há um paradigma de "reengenharia" permanente, que impõe às pessoas uma vontade contínua de mudança, com impacto forte no seu tempo e na sua narrativa de vida - é um choque que os jovens, mesmo com bons empregos, bem conhecem. A direita parece ignorar tudo isto.

 

Mas há um ponto em que ambos os lados erram em simultâneo: a educação e as expectativas. Nos anos 90, pais que nunca tiveram oportunidades sonharam ter filhos doutores e os governos fizeram a vontade: milhares pagaram em tempo e dinheiro cursos sem empregabilidade, numa lógica de ensino baseada na auto--estima. Pagaram para, no final, acabarem semi-escravizados por um mercado de trabalho sem ética, orientado para os interesses da maioria estabelecida. Falar de "jovens" significa abarcar tudo isto: e é mais simples fazê-lo a cantar do que no debate político.

Crónica publicada no i
publicado por Bruno Faria Lopes às 10:18
link do post | comentar | favorito
4 comentários:
De Luis Afonso a 4 de Fevereiro de 2011 às 12:22
Os Deolinda representam o que de melhor aconteceu à música portuguesa nos últimos tempos. Grande artigo Bruno! A RTP também "copiou" os teus sentimentos ontém... As palavras eram muito semelhantes.
De Marta MC a 4 de Fevereiro de 2011 às 15:57
"Quem canta seus males espanta"! ;-)
De Bruno Faria Lopes a 4 de Fevereiro de 2011 às 19:02
Parece que os próprios Deolinda ficaram surpreendidos com o sucesso do tema - e vão editar o dito cujo...
De Dylan a 23 de Fevereiro de 2011 às 14:37
Da geração mais envelhecida da Europa que vive miseravelmente no centro das grandes cidades à geração "à rasca", dos 500 euros, que vive em casa dos pais; da geração da 4ª classe à geração das múltiplas licenciaturas; da geração da verdadeira música de intervenção de personagens como Zeca Afonso e Adriano Correia de Oliveira à "geração parva", dos Deolinda, que nunca se mobilizou para nada a não ser para o comodismo cívico e político. Pela primeira vez nas vossas vidas, berrem, revoltem-se, exerçam o direito de cidadania, mas façam-no por todas as gerações, pelos excluídos, por aqueles que não têm um canudo, pelos desempregados, pelos trabalhadores precários e os explorados pelo patronato.

Comentar post

apresentação

Tudo o que sobe também desce

Conheça a história do ascensor aqui.

autores

pesquisar

posts recentes

Manifesto da demissão do ...

Marca registada

Stôra

O fim da coligação, segun...

Pergunta remodelada

...un portugués

Contas para meter medo

O homem do dia

Como Alemanha e Portugal ...

Uma demissão exemplar...

arquivos

links

subscrever feeds