Quinta-feira, 26 de Janeiro de 2012

Sócrates ni-ni

As polémicas declarações de Cavaco Silva durante o fim-de-semana, a propósito das reformas do Presidente, acabaram por tornar discreto o diário de José Sócrates em Paris, contado pelo Expresso desta semana.

Lendo o artigo ficamos a saber que o antigo Primeiro-Ministro de Portugal “vive num soberbo quarteirão” em Paris, onde deverá pagar uma renda mensal de “no mínimo 4 mil euros” e almoça e janta “em restaurantes inacessíveis ao comum dos mortais”. Sobre a sua actividade diária, além do jogging matinal, sabe-se que participa em think tanks, em discretas conferências, preparadas “quase com os mesmos cuidados que uma reunião maçónica”, frequenta livrarias elegantes como a La Hune, ou a Brasserie Lipp, “frequentada pelo que os franceses chamam a esquerda caviar”.

Aparentemente Sócrates não trabalha, sendo certo que foi para Paris para estudar.

Carvalho Pinto de Sousa José Sócrates (é assim, com este nome, que está inscrito) foi admitido em finais de Setembro de 2011 num dos mais conceituados Centros de Estudos de Ciência Política mundiais, o famoso Sciences-Po. É aluno do primeiro ano do Master de Estudos Avançados em Ciência Política.

Mas tem um estatuto especial: é auditeur libre, ou seja aluno livre, sem as mesmas obrigações que qualquer outro aluno. Vai a exames - se quiser, pode apresentar trabalhos - se quiser, pode ir às aulas – se quiser. E, ao que conta o Expresso, “Sócrates não compareceu aos exames do primeiro semestre”. Ou seja, aparentemente também não estuda.

Não trabalha nem estuda. Sócrates à Paris est un ni-ni: ni travaille ni étudie. Bem que podia juntar-se às manifestações dos indignados.

tags:
publicado por Ana Catarina Santos às 02:20
link | comentar | favorito

autores

pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos

subscrever feeds